1ª Feira de Pesca e Náutica do DF movimenta 2,3 milhões

Feira de Pesca & Náutica

Feira de Pesca & Náutica

A primeira edição da Feira de Pesca e Náutica do Distrito Federal foi um sucesso. O volume de negócios superou as expectativas da organização, que estimava uma movimentação de 1,6 milhão. Chegou a R$ 2,3 milhões. 67% deste valor é atribuído ao setor de náutica e 33% ao de pesca. Durante os quatro dias de feira, cerca de 20 mil pessoas compareceram à Vila do Tênis. Os expositores destaque foram a Central Náutica, Companhia da Pesca, ESAVE, Fibralar e as Pousadas da Argentina.
Com a superação das expectativas de público e negócios no evento, a organização já planeja a segunda edição, no mesmo lugar e com muito mais atrações que serão confirmadas no próximo ano.

Durante o encontro ainda foram realizados cursos e provas para retirada de Arrais amadora. 101 pessoas tiraram o documento que é tão essencial quanto a carteira de habilitação, no caso dos automóveis. Os cursos aconteceram na quinta (30/6) e sexta (1/7) e as provas foram aplicadas pela Delegacia Fluvial do Distrito Federal.

Brasília sediou entre os dias 30 de junho e 3 de julho a 1a Feira de Pesca & Náutica do Distrito Federal. O evento reuniu dezenas de empresas expositoras de náutica, pesca, turismo, órgãos do governo e entidades como a Associação Nacional de Ecologia e Pesca Esportiva (ANEPE). Entre os convidados, estiveram personalidades do setor como Giovane Papa (apresentador do programa Pescar e Preservar, fundador do Tucunas Sport Fishing e do Xfishing), Nelson Nakamura (um dos precursores e adeptos da pesca com iscas artificiais, sócio da Lucky Moldes e apresentador do programa Pesca Alternativa), além do desenhista e ilustrador Kid Ocelos, que demonstrou o FlyFishing.

O evento também abordou a relação entre o setor e a biodiversidade brasileira. Uma das ligações mais harmoniosas entre mercado náutico e ecologia acontece por meio da pesca esportiva que proporciona a captura de espécimes sem prejudicar o ciclo e o equilíbrio ecológico. Desta forma a feira promoveu nos dias 30 de junho e 1º de julho o Simpósio Biodiversidade Brasileira, que abordou o tema Segurança Náutica e Preservação Ambiental.

Entre os palestrantes estiveram o ambientalista e apresentador do programa Aventura Selvagem, Richard Rasmussen; Alba Evangelista Ramos, chefe do Núcleo de Reabilitação Ambiental da Secretaria de Estado de Agricultura Pecuária e Abastecimento do DF; o superintendente de Recursos Hídricos da CAESB, Fernando Starling; entre outros.

Alunos de escolas rurais da rede pública de ensino do Distrito Federal também prestigiaram a feira. A organização classificou a experiência como “simplesmente maravilhosa e emocionante. Algumas crianças sequer conheciam o lago Paranoá. Achamos que deveríamos começar esse trabalho de conscientização pelas crianças. O momento mais emocionante da Feira foi ver todas aquelas as crianças passeando, curtindo as novidades, participando do torneio de pesca mirim”, disse João Horvat Junior, um dos organizadores.
Com um investimento de 800 mil reais, os organizadores da 1ª edição da Feira de Pesca & Náutica de Brasília cobriram 2.800 m2 de área e empregaram mais de 200 profissionais que foram envolvidos direta e indiretamente na produção da feira.

Números do setor – De acordo com levantamento realizado pelo Sebrae em 2010, a pesca esportiva nacional movimenta anualmente cerca de um bilhão de reais e é responsável por 200 mil empregos diretos e indiretos no país. O setor mostra a sua força e cresce a taxas constantes de 30% ao ano. Mas há ainda um grande potencial de crescimento desta prática no Brasil devido à extensa bacia hidrográfica; a grandiosidade de sua costa e a imensa diversidade de espécies nativas propícias para a pesca amadora esportiva.

A pesca recreativa constitui um relevante segmento do setor turístico, estimulando a organização de viagens, excursões e pacotes turísticos exclusivos. O turista, quando sai para pescar, gasta em média oito vezes mais do que o turista comum. Segundo a Embratur – Empresa Brasileira de Turismo – mais de seis milhões de brasileiros já podem ser considerados pescadores contumazes. Desses, cerca de 250 mil são pescadores licenciados.

E por que realizar em Brasília, em pleno planalto central, no coração do cerrado, uma feira de pesca e náutica? Simples. A cidade possui a terceira maior frota náutica do país e a maior relação entre habitantes e número de embarcações. Apesar da ausência do litoral, Brasília tornou-se um dos maiores celeiros náuticos do Brasil. O Lago Paranoá abriga mais de 10 mil naus que percorrem suas águas, que atualmente possuem mais de 90% de balneabilidade. Uma das taxas mais altas do Brasil quando se fala em água própria para banho.

Em função da revitalização do Paranoá iniciada em 1994, empresas e empreendimentos focaram seus negócios às margens do lago artificial. O reflexo proporcionou o rápido crescimento do setor náutico na capital federal. Associada ao alto poder aquisitivo da população (mais de 40% dos moradores do Plano Piloto pertencem às classes A e B) o boom do mercado náutico em Brasília é surpreendente.

Fonte: Feira de Pesca & Náutica

About Pescador